Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"O homem pode acreditar no impossível, mas nunca pode acreditar no improvável. "
(Oscar Wilde)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Sindipetro Bahia reconhece avanços no acordo entre o MPT e a Petrobras

http://www.prt5.mpt.mp.br/


O Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindpetro-BA) divulgou nota no fim da manhã desta quinta-feira (19/12) em sua página na internet em que reconhece os avanços obtidos para os empregados da Petrobras lotados no estado a partir da homologação do acordo judicial entre o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a estatal.

O anúncio do entendimento entre as partes que encerrou a ação judicial que o órgão movia por entender ter havido assédio moral organizacional por parte da empresa contra seus empregados na Bahia foi feito na manhã de ontem (18/12) para a imprensa e para uma comissão de empregados da petrolífera.

Durante o encontro com um grupo de 16 empregados que esteve na sede do órgão na manhã de quarta-feira, os procuradores que cuidam do caso puderam detalhar os itens do acordo. No encontro foi possível identificar claramente que havia uma série de interpretações precipitadas do desfecho da ação e que puderam ser esclarecidas. Quanto à declaração dada pelo vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores na Bahia (CUT-Bahia), Leonardo Urpia, de que o Sindipetro não participou da negociação, o próprio dirigente reconheceu que não havia acompanhado o processo e que a entidade foi ouvida e consultada em todas as etapas da negociação.

Na manifestação pública da entidade, são destacados alguns pontos considerados positivos, como o comprometimento da empresa em não realizar demissão em massa sem negociação coletiva em todo o território nacional. A entidade não cita como conquista importante a garantir de manutenção dos postos de trabalhos de todos os 45 mil empregados da companhia. Outro item destacado é a obrigatoriedade de emissão de comunicação de acidente de trabalho (CAT) em casos de doenças ocupacionais ou relacionadas ao trabalho e acidente de trabalho.

Pagamentos – A entidade também comemora a conquista do pagamento do APT (adicional provisório de transferência) nos padrões em vigor até 30/09/2019 para as transferências realizadas em 2019, mesmo antes da assinatura do acordo. Essa gratificação havia sido reduzida em 75% antes de o MPT entrar no caso e havia a disposição da empresa de extingui-la. O acordo restabeleceu seu valor para quem estiver sendo transferido de qualquer unidade no Brasil este ano. A empresa deverá investir R$250 milhões nesses pagamentos. O mesmo patamar de gratificação poderá ser pleiteado para os casos não previstos no acordo.

O Sindipetro também enalteceu a garantia de permanência por pelo menos um ano e meio para os empregados que não forem transferidos este ano. Na Bahia, cerca de 2.400 empregados estão nessa situação. Antes da atuação do MPT, a perspectiva deles era de uma transferência sumária de praticamente todo o efetivo lotado na Bahia se consumando até o início de 2020 e com gratificação de 25% do que era praticado anteriormente.

O sindicato esclareceu para seus associados que “o objeto da ação se limitava ao formato das transferências que estavam sendo feitas, principalmente em relação à velocidade e forma, o que causou prejuízos imensuráveis aos trabalhadores, inclusive psicológicos. O Ministério Público [do Trabalho] não postulou impossibilidade de transferências, mas o seu regramento e que houvesse um formato ‘civilizado’”.

Assédio - A entidade afirma que, apesar de a Petrobrás ter se comprometido a não praticar assédio moral ou outra prática discriminatória contra qualquer funcionário, o assunto continua a causar desconfiança, insegurança e desconforto entre os empregados da estatal. Para o coordenador do Sindipetro, Jairo Batista, esse é um dos pontos que traz mais preocupação, uma vez que os trabalhadores continuam a relatar casos de pressão e assédio moral.

A criação do Comitê Gestor de Mudança, instância prevista no acordo para monitorar e prevenir casos de assédio e para mediar casos específicos, no entanto, recebeu uma ressalva do Sindipetro. A entidade questiona do fato de não constar nominalmente na composição do comitê, embora o documento fale representação dos empregados com legitimidade de representação em relação à coletividade de trabalhadores a ser transferida, o que naturalmente é uma atribuição do sindicato, legítimo representante dos trabalhadores.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2020 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet