Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Há um poder supremo, uma força dominante, que permeia e rege todo o Universo ilimitado. Você é parte desse poder. "
(Prentice Mulford)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Discriminação da mulher negra no mercado de trabalho é tema de audiência pública

http://www.prt7.mpt.mp.br/


Em audiência pública realizada nesta quarta-feira (27), na Assembleia Legislativa do Ceará, a procuradora do MPT Ana Valéria Targino expôs dados sobre a disparidade social entre brancos e negros, nas relações de laborais. O encontro foi por iniciativa da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania e trouxe como foco central a discriminação da mulher negra no mercado de trabalho e os desafios para superação do racismo estrutural.

Como instrumento de suporte à formulação de políticas públicas, a procuradora apresentou o Observatório da Diversidade e da Igualdade de Oportunidades no Trabalho. Livre e gratuita, a plataforma digital compila uma série de dados e informações relevantes para qualificar processos de tomada de decisão em relação às políticas públicas. A ferramenta reúne informações demográficas, econômicas, produtivas e de proteção social.

Segundo dados compilados pelo Observatório, mulheres negras recebem em média 55% do rendimento dos homens brancos, de acordo com análise interseccional. Se considerados apenas os cargos de direção no setor privado, a disparidade de rendimentos entre homens e mulheres é ainda maior: o salário de homens é, em média, 10 mil reais superior ao das mulheres em cargos de direção.

Campanha nacional

Para reforçar a importância da valorização das pessoas negras no mercado de trabalho, a procuradora destacou a campanha nacional "Nosso lugar é legítimo. Racismo é não reconhecer", lançada neste mês pelo MPT. O objetivo é realçar que a discriminação se reflete nas condições de acesso ao trabalho e renda da população negra e que as ações afirmativas buscam corrigir essas desigualdades históricas.

O deputado estadual Nezinho Farias destacou as consequências da globalização nas últimas décadas, entre eles os processos de exclusão dos grupos vulneráveis, principalmente em relação às mulheres negras trabalhadoras. "É necessário e urgente que o Estado, enquanto ente responsável pela organização social e jurídica do país, adote medidas que possam efetivamente se confrontar com as diversas formas de discriminação", ressaltou o parlamentar.

Também participaram do debate deputados estaduais, a presidente da União de Negros pela Igualdade (UNEGRO), as representantes da Casa da Mulher Brasileira e da Secretaria Executiva de Política para Mulheres do Governo do Estado (Liliane Andrade e Marta Maria Lacerda, respectivamente), o chefe da Seção de Inspeção do Trabalho no Ceará, Daniel Area, além de lideranças comunitárias e representantes da política de igualdade racial, organizações civis e universidades.

Assessoria de Comunicação MPT-CE


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2019 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet