Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"A consciência de uma planta no meio do inverno não está voltada para o verão que passou, mas para a primavera que irá chegar. A planta não pensa nos dias que já foram, mas nos que virão. Se as plantas estão certas de que a primavera virá, por que nós os humanos – não acreditamos que um dia seremos capazes de atingir tudo o que queríamos?"
( Khalil Gibran)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Família de frentista morto em assalto em Campinas (SP) receberá indenização

http://www.csjt.jus.br/


A Décima Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP) condenou os proprietários de um posto de gasolina a pagar R$ 100 mil de indenização por danos morais à família de um profissional morto em serviço, vítima de um assalto. O colegiado também fixou indenização por dano material, a título de pensionamento mensal, à única descendente, correspondente a 1/3 da renda da vítima auferida em vida, a partir da data da morte do trabalhador até a data em que ela completar 25 anos de idade.

A empresa se defendeu, afirmando que "segurança pública é dever do Estado e não se pode imputar tal responsabilidade ao empregador", e que, "diante da imprevisibilidade do assalto, resta caracterizada a excludente da responsabilidade civil do empregador", já que o assalto "decorreu da ausência de atuação do Estado, que através da Secretaria de Segurança Pública deixou de prestar o dever de segurança".

A empresa não concordou também com o valor de R$ 50 mil arbitrado pelo juízo da Vara do Trabalho de Tatuí, a título de indenização por danos morais, e pediu sua redução. Já a autora pediu, para a mesma indenização, majoração do valor e também da pensão mensal.

Responsabilidade

O relator do acórdão, desembargador Edison dos Santos Pelegrini, afirmou que "a reparação civil decorrente de acidente do trabalho/ doença profissional ou ocupacional tem como suporte principal a responsabilidade subjetiva, segundo o art. 7°, XXVIII, da Constituição Federal, exigindo, assim, a presença da culpa ou dolo para a responsabilização do empregador".

Porém, devido às inovações trazidas pelo novo Código Civil no campo da responsabilidade civil, cujo objetivo maior dado pelo legislador foi o de "socialização dos riscos", de forma a desviar-se da investigação da culpa para o efetivo atendimento da vítima, "restou consagrada a responsabilidade objetiva", afirmou o acórdão.

No caso dos autos, o colegiado entendeu que "a atividade de frentista envolve a circulação de dinheiro, além de ser de conhecimento público e notório que os postos de combustíveis são alvos de constantes assaltos", e que, por isso, o trabalho desempenhado pelo autor, no período noturno e sozinho, é permeado de riscos e representa um ônus maior do que aquele a que estão submetidos os demais membros da coletividade que atuam em condições semelhantes, e por isso "atrai os parâmetros da responsabilidade objetiva de que trata o art. 927 do Código Civil", destacou o acórdão.

O colegiado ressaltou que uma "eventual responsabilidade de terceiro pelo acidente não afasta o dever de o empregador responder pelos danos, restando assegurado o direito de regresso contra o verdadeiro responsável, de forma autônoma, a tempo e modo próprios". No caso dos autos, o que é relevante são as consequências do assalto no estabelecimento, que são evidentes, com a morte do trabalhador, e suas causas mais remotas, "como o labor em condições inseguras", formando um encadeamento lógico sobre o acidente de trabalho e os fatos subsequentes relacionadas com o infortúnio.

Fixados esses pontos, o colegiado ressaltou, no que toca à responsabilidade do empregador, que a necessidade de reparação por dano moral é evidente, uma vez que "a perda maior que pode sofrer o ser humano é a perda de um ente querido dentro do quadro familiar", e que "a dor e o sofrimento causado à demandante, filha única, que perdeu o pai de forma absolutamente trágica, no estrito cumprimento de seu mister" afetam "o íntimo, o moral, valores esses imensuráveis, dando azo à reparação por dano moral".

Valores

Quanto ao valor, o colegiado afirmou que o que foi arbitrado na origem (R$ 50 mil) "afigura-se absolutamente ínfimo, tendo em vista as circunstâncias do caso concreto (evento finalístico morte do trabalhador)". Também considerou excessivo o pedido inicial (R$ 1 milhão). Nesse sentido, com objetivo de atender o caráter pedagógico da sanção, e com especial observância ao princípio da razoabilidade, o colegiado entendeu razoável a majoração do valor para R$ 100 mil.

Quanto ao dano material, o acórdão salientou que "o fato de haver ou não prova de dependência econômica do cônjuge ou da filha não constitui óbice ao pagamento de pensão mensal, pois a dependência econômica destas é presumida".

Assim, à única filha "é devida indenização por dano material, a título de pensionamento mensal, correspondente a 1/3 (um terço) da renda do ‘de cujus auferida em vida, tendo por termo inicial a data do evento finalístico morte do trabalhador e, como termo final a data em que a filha completar 25 anos de idade".

Fonte: TRT da 15ª Região (Campinas/SP)


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2019 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet