Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Se quer viver uma vida feliz, amarre-se a uma meta, não às pessoas nem às coisas."
Albert Einstein


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

IGREJA UNIVERSAL É CONDENADA A PAGAR R$ 5 MIL POR DANOS MORAIS A EX-PASTOR

http://portal.trt15.jus.br


Por Ademar Lopes Junior

A 11ª Câmara do TRT-15 condenou a Igreja Universal do Reino de Deus a pagar R$ 5 mil de indenização por danos morais a um ex-pastor demitido e que não recebeu as verbas rescisórias. O ex-pastor também afirmou nos autos que foi obrigado a se submeter a vasectomia "para professar a fé cristã".

O ex-pastor atuou na igreja de primeiro de outubro de 2006 a 29 de novembro de 2008, quando foi dispensado sem justa causa. A igreja, que negou o vínculo empregatício, tinha sido condenada pelo Juízo da Vara do Trabalho de Itanhaém a pagar ao ex-pastor as verbas rescisórias, depois que se confirmou que ele cumpria jornada de trabalho de segunda a sexta-feira, das 7h às 23h, e, aos domingos e feriados, quando realizava reuniões das 7h às 20h, sempre com uma hora de intervalo.

Mais que humilhação, o trabalhador afirma ter sofrido também danos morais pelo rompimento injustificado do vínculo, o que, segundo ele, comprometeu sua imagem. De volta à sua cidade natal, sentiu-se envergonhado e humilhado, e não teve outra opção "senão recorrer ao trabalho braçal para prover o sustento e subsistência da família".

Não bastasse isso, durante sua atuação na igreja como pastor, foi obrigado a se submeter a vasectomia "para professar a fé cristã, frustrando o sonho da esposa que desejava constituir família", e que por isso chegou a ser acometida de depressão por não poderem ter filhos. A esterilização, segundo ele afirmou, teria sido imposta pela igreja sob o fundamento de que "filhos atrapalhariam seu pastorado".

O relator do acórdão, desembargador Antonio Francisco Montanagna, salientou que o trabalhador "nada referiu na inicial em relação à dor moral pelo constrangimento em se submeter à vasectomia para poder exercer a função de pastor", e que só no decorrer do processo é que alegou que teria sido pressionado a se submeter à cirurgia de vasectomia, "sob fundamento de que filhos atrapalhariam seu pastorado". O magistrado ressaltou também que, por não terem sido apontados esses fundamentos na inicial, agora é "vedado alterar as causas de seu pedido neste momento". Além do mais, "o reclamante não pode imputar à reclamada uma decisão íntima, sem prova de que foi forçado a tanto", afirmou.

Para o relator, não se pode falar em direito do reclamante à indenização sob pena de afronta ao princípio da legalidade, uma vez que "a responsabilidade pelas opções particulares feitas pelo pastor devem ser atribuídas à sua crença e à interpretação pessoal da vontade divina, não podendo ser imputadas à reclamada", o que se comprova, nos autos, pelo reconhecimento do próprio ex-pastor de que "estava lá por vontade própria".

Importante destacar, porém, que, no caso "nenhuma prova foi produzida de molde a demonstrar a atitude ilegal ou de tal gravidade por parte da reclamada". Nem a destituição do cargo de pastor "implica ilicitude ou abuso de poder por parte da ré", já que ela "não está obrigada a manter o reclamante como pastor, tampouco como empregado". O relator afirmou também que a reclamada não pode ser responsabilizada pelo fato de o reclamante ter sido "obrigado a buscar trabalho braçal para seu sustento" nem que tenha frustrado "os sonhos pessoais" do ex-pastor.

Mesmo assim, o relator afirmou que "não é esse o entendimento da 11ª Câmara, que tem concedido indenização em caso de inadimplemento das verbas rescisórias", com exceção apenas "quando há prova de que o empregador se encontra em dificuldades financeiras, o que se presume em casos de falência ou recuperação judicial". Por não ser essa a situação, o relator se rendeu ao entendimento do colegiado, e deferiu a indenização por danos morais, fixando-a em R$ 5 mil. (Processo 0000648-57.2011.5.15.0064)


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2020 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet