Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Por mais brilhante que seja qualquer ato, não deve ser considerado grande senão em função de um grande motivo. "
(La Rochefoucauld)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Empresa de transporte coletivo de BH terá que abrir 52 vagas de emprego para PCDs

http://www.prt3.mpt.mp.br/


Sentença em ação civil pública do MPT determina que seja cumprida a cota de 5% prevista em lei

A Viação Santa Edwiges Ltda terá que abrir pelo menos 52 novas vagas de emprego para pessoas com deficiência (PCDs) ou reabilitados pela Previdência Social. É o que determina uma sentença da 5ª Vara do Trabalho de Betim em uma ação civil pública (ACP) proposta pelo Ministério Público do Trabalho em Minas Gerais (MPT-MG), que impôs outras obrigações à empresa. A ré, que opera no segmento de transporte de passageiros na Região Metropolitana de Belo Horizonte, é alvo de investigação do MPT no âmbito do projeto Inclusão de Acessibilidade, da Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade (Coordigualdade). No decorrer do processo, o Ministério Público do Trabalho (MPT) constatou que o número de pessoas com deficiência ou reabilitadas empregadas pela Viação Santa Edwiges estava inferior ao que preconiza artigo 93 da Lei nº 8.213/91.

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que, em 2017, a empresa tinha em seus quadros 1.340 funcionários, sendo apenas 15 PCDs. De acordo a legislação, esse contingente deveria ser de 67, o equivalente a 5% do total de empregados.

Na inicial da ação, a procuradora do Trabalho que atua do caso, Luciana Marques Coutinho, salienta que "as cotas para pessoas com deficiência estão inseridas no contexto das ações afirmativas, destinando-se a possibilitar a igualdade real, bem como os acessos aos postos de trabalho que normalmente lhes seriam negados em razão da deficiência, tendo em vista o desconhecimento e o preconceito ligados à sua capacidade laborativa e as práticas discriminatórias de quem têm sido vítima ao longo da história". O MPT propôs à empresa um acordo extrajudicial a partir da assinatura de um termo de ajustamento de conduta (TAC), o que foi recusado pela ré.

Após a análise da ação proposta pelo MPT, a juíza Renata Lopes Vale, que proferiu a sentença, ressaltou que considera necessária a imposição do poder do estado para garantir meios para a integração social das pessoas com deficiência (PCDs) no mercado de trabalho. "Trata-se de cumprir a Lei Maior Brasileira, quanto a seus fundamentos e objetivos fundamentais, especialmente da não discriminação e da dignidade da pessoa humana", acrescentou.

Além de observar a cota conforme prevê a legislação, a empresa não poderá promover a dispensa de empregado PCD com contrato com prazo determinado superior a 90 dias ou de modo imotivado sem a contratação prévia de funcionário nas mesmas condições. Se descumprir a medida, a ré está sujeita ao pagamento de uma multa diária de R$ 2 mil.

Por fim, a Justiça determinou que a divulgação de vagas de emprego para PCDS não deverá se restringir ao envio de e-mails ou publicação em jornais e o pagamento por parte da empresa de uma indenização de R$ 100 mil por danos morais coletivos. A Viação Santa Edwiges ainda poderá recorrer da decisão.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2020 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet