Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Por mais brilhante que seja qualquer ato, não deve ser considerado grande senão em função de um grande motivo. "
(La Rochefoucauld)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Produtor rural terá que regularizar contratos, jornada e oferecer condições adequadas de trabalho

http://www.prt3.mpt.mp.br/


Patos de Minas - Regularizar contratos e jornada, oferecer melhores condições de conforto e segurança no trabalho e abster de contratar menores são algumas das 28 obrigações assumidas por um produtor rural de Campos Altos por meio de um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado perante o Ministério Público do Trabalho em Minas Gerais (MPT-MG). A propriedade, localizada na região do Alto Paraíba, é investigada no âmbito de um inquérito civil (IC) após ser alvo de uma fiscalização que resgatou 22 pessoas, entre homens, mulheres e menor, de condições de trabalho análogas à de escravo.

A ação dos auditores-ficais do Trabalho na fazenda, motivada depois de uma denúncia anônima, constatou que os trabalhadores estavam sem registro na carteira, viviam em um alojamento precário e ficavam expostos a condições degradantes, como jornada superior a 12 horas diárias, ausência de intervalo adequado para alimentação e outras. Todas as irregularidades ensejaram o registro de 35 autos de infração.

Ao analisar o relatório da Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais - SRTE/MG a respeito do caso, o procurador Rodney Vieira de Souza, enfatizou que "dos fatos narrados emergem indícios de desrespeito à legislação protetiva do trabalho, o que pode configurar lesão a interesses metaindividuais dos trabalhadores". Segundo a SRTE, os trabalhadores são de três municípios da Bahia e foram contratos para a colheita de café.

O TAC contempla diversos compromissos, dentre os quais estão: "não admitir ou manter trabalhador sem o devido registro; anotar o contrato de trabalho de seus empregados nas respectivas CTPS; abster-se de contratar empregado que não possua CTPS; não contratar trabalhadores menores de 14 anos de idade para qualquer finalidade; manter registro mecânico, manual ou eletrônico da jornada de trabalho dos empregados; abster-se de prorrogar a jornada normal de trabalho, além do limite legal de duas horas diárias, sem qualquer justificativa legal; fornecer, gratuitamente, aos empregados equipamentos de proteção individual; implementar ações de segurança e saúde que visem à prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho; manter as áreas de vivência em condições adequadas de conservação, asseio e higiene".

Além das obrigações assumidas, o produtor rural terá de pagar uma indenização de R$ 30 mil por dano moral coletivo. O empregador ainda está sujeito ao pagamento de uma multa de R$ 2,5 mil por descumprimento de qualquer uma das cláusulas do TAC, independente do número de trabalhadores prejudicados.

Número do procedimento: 000221.2018.03.004/3


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2019 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet