Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Dificil não é lutar por aquilo que se quer, e sim desistir daquilo que se mais ama. Eu desisti, mas não pense que foi por não ter coragem de lutar, e sim por não ter mais condições de sofrer. "
(Bob Marley)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Acidentes de trabalho com máquinas custam R$ 732 milhões à Previdência

https://mpt.mp.br/pgt/


Brasília - De 2012 e 2018, máquinas e equipamentos provocaram 528.473 acidentes de trabalho, tendo como consequência 2.058 mortes acidentárias notificadas e 25.790 amputações ou enucleações, no Brasil. Os números são do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, ferramenta criada pelo Ministério Público do Trabalho em parceria com a Organização Internacional do Trabalho, que reúne informações de bancos de dados oficiais do governo.

Com isso, máquinas e equipamentos se tornaram o principal agente causador de acidentes de trabalho, ocupando 15,19% dos registros feitos no período. "O total de mortes causadas por esse grupo é três vezes maior e, de amputações, chega a ser de 15 vezes mais, do que a média das demais causas", reforça o procurador Leonardo Osório Mendonça, coordenador nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho (Codemat), do MPT.

Os dados revelam, ainda, que, no mesmo período, as despesas com afastamentos acidentários custaram R$ 732 milhões à Previdência Social. Para se ter uma ideia, de 2012 a 2018, o montante de gastos previdenciários com amputações geradas por acidentes de trabalho foi de R$ 191 milhões, sendo que R$ 131 milhões foram motivados por amputações causadas por máquinas, o que corresponde a 69% do total das despesas.

Além disso, o observatório aponta que o país perdeu mais de 14 milhões de dias de trabalho nesses sete anos somente por conta de afastamentos provocados por acidentes com máquinas. O cálculo corresponde à estimativa dos prejuízos de produtividade para a economia formal brasileira, em razão dos períodos de afastamento em que os trabalhadores deixaram de produzir, acumuladamente.

Para o coordenador da Codemat, Leonardo Osório, "é preciso conscientizar os empregadores da importância de seguirem as orientações detalhadas fixadas pela Norma Regulamentadora nº 12, que traz medidas de prevenção a serem adotadas nas atividades com máquinas e equipamentos". Segundo defende, a preocupação com a proteção à saúde e à segurança dos trabalhadores pode evitar prejuízos como esse, que afetam não apenas a Previdência, mas toda a economia brasileira.

Conheça aqui a atual redação da NR 12.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2019 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet