Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem. "
(Chico Buarque)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

NJ - Mantido desconto salarial de funcionários da CEF que participaram da greve geral contra reformas em 2017

https://portal.trt3.jus.br/


A 5ª Turma do TRT-MG manteve a decisão da 30ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte que determinou a manutenção do desconto salarial dos funcionários da Caixa Econômica Federal que participaram da greve geral deflagrada no país nos dias 28 de abril e 30 de junho de 2017. O movimento tinha como meta protestar contra as reformas trabalhista e da previdência, propostas pelo governo do então presidente Michel Temer.

A ação foi movida pelo Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Belo Horizonte e Região, que alegou “ser devido o pagamento dos dias da paralisação”. Para o Sindicato, a greve foi um ato legítimo e imprescindível contra o atentado aos direitos sociais. A entidade argumentou ainda que foram respeitadas as exigências legais e estatutárias, baseadas no regramento da greve, da Lei 7.783/89, e no artigo 9º da Constituição Federal.

Para o desembargador Oswaldo Tadeu Barbosa Guedes, relator no processo, a Constituição Federal assegura de fato aos trabalhadores o direito de greve, competindo a eles a decisão sobre a oportunidade de exercer tal direito. Porém, segundo ele, o mesmo dispositivo constitucional que assegura o movimento paredista também dispõe sobre a regulamentação desse direito por norma infraconstitucional. De acordo com o magistrado, o período da paralisação é considerado como de suspensão do contrato de trabalho. “E, durante a suspensão contratual, as obrigações contratuais principais; quais sejam, prestar serviços e pagar salários; são suspensas”, explica o desembargador.

Em sua decisão, o relator cita entendimento de casos semelhantes julgados pelo TST, como a greve dos portuários, que foi considerada abusiva. O magistrado fez questão de registrar ainda que, tendo em vista o curto período da greve geral, não há que se falar em prejuízos econômicos e sociais excessivos aos trabalhadores pelo desconto do dia não trabalhado.

Há nesse caso recurso de revista interposto ao TST.

Processo
PJe: 0010950-33.2017.5.03.0109 (RO) — Disponibilização: 12/11/2018


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2019 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet