Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Precisamos ser pacientes, mas não ao ponto de perder o desejo; devemos ser ansiosos, mas não ao ponto de não sabermos esperar. "
(Max Lucado)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Autorizado bloqueio de até R$ 5,4 milhões da Igreja Adventista Remanescente de Laodiceia

http://www.prt10.mpt.mp.br/


As contas de Ana Vindoura, Luciclei Rosa da Silva, Márcia Cristina Cardoso, Márcia Morais de Rezende e Lúcio de Faria Silva Alves estão bloqueadas para movimentação, assim como todos os ativos financeiros das empresas Folha de Palmeiras Comércio e Indústria de Alimento Ltda., Folha de Palmeiras Produtos Alimentícios Ltda. – EPP, Universal Empreendimentos Imobiliários e da Igreja Adventista Remanescente de Laodiceia.

Os envolvidos tiveram seus bens bloqueados por compor, diretamente, o conglomerado que explorava mão de obra no Gama (DF), dentro da Igreja Adventista Remanescente de Laodiceia, em situação similar ao trabalho escravo contemporâneo. Relembre aqui.

O valor bloqueado será destinado ao pagamento dos trabalhadores explorados, que, além de não receberem salário pelo serviço, ainda eram obrigados a pagar a moradia e os alimentos que consumiam.

A Ação Cautelar do Ministério Público do Trabalho (MPT) é assinada pelas procuradoras Carolina Vieira Mercante e Dinamar Cely Hoffmann.

Para elas, a restrição de ativos é fundamental para garantir a reparação dos danos causados, além de salvaguardar direitos de natureza alimentar. Elas também pontuam que a urgência é necessária pois estão caracterizados o “fumus boni iuris” e o “periculum in mora”, já que os líderes religiosos envolvidos nunca agiram de forma compatível a quem pretende pagar suas dívidas.

“Diante do risco evidente de que os créditos e bens dos requeridos, que podem satisfazer seus débitos trabalhistas, sejam dissipados, torna-se imperioso, para garantir a efetividade da tutela que se pretende buscar na ação principal, a imediata determinação das medidas postuladas”, afirmam as procuradoras.

Além de o bloqueio dos ativos financeiros dos réus, o MPT solicitou a decretação da indisponibilidade de todos os veículos automotores registrados; das máquinas de panificação e instrumentos de produção das empresas; a realização de consulta dos bens declarados à Receita Federal, nos últimos três anos e a busca em cartórios localizados no Distrito Federal, em Mato Grosso, no Tocantins e em Goiás, sobre a possível existência de bens imóveis registrados nos nomes dos requeridos.

Todos os pedidos foram aceitos pela juíza Tamara Gil Kemp, da Vara do Trabalho do Gama, que concordou com a tese ministerial e determinou o bloqueio de até R$ 5,4 milhões dos envolvidos: “Numa primeira análise há nos autos provas das alegações do MPT, no sentir de haver de 200 a 300 trabalhadores submetidos a trabalhos forçados e a condições degradantes”, explica a magistrada, ao deferir a medida cautelar pleiteada pelo MPT.

Processo nº 0000205-16.2019.5.10.0016


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2019 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet