Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Tudo que criamos para nós, de que não temos necessidade, se transforma em angústia, em depressão... "
(Chico Xavier)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

30 Anos CF/88: Empresa terá que indenizar trabalhador que teve 48% do corpo queimado em acidente de trabalho

https://portal.trt3.jus.br/


A 10ª Turma do TRT mineiro julgou desfavoravelmente o recurso de uma empresa para manter a sentença que a condenou a pagar indenização por danos morais e estéticos, no valor de 65 mil reais, a um trabalhador que teve 48% do seu corpo queimado em acidente de trabalho. Os julgadores acolheram o entendimento da relatora, desembargadora Taísa Maria Macena de Lima.

A lei no tempo – A ação foi ajuizada pelo empregado em outubro de 2016 e, na época da sentença, o contrato de trabalho ainda estava em vigor. Ele pretendia receber reparação pelos prejuízos morais decorrentes de acidente do trabalho que o vitimou em setembro/2016, ou seja, anteriormente à entrada em vigor da Lei 13.467/2017, ocorrida em novembro/2017. Nesse quadro, como observou a relatora, os fatos discutidos na demanda devem ser resolvidos com base na “lei velha”, com a aplicação das normas legais vigentes à época do acidente, antes das modificações trazidas pela reforma trabalhista.

É que, conforme esclarecido pela relatora, quando se discute a aplicação de uma nova lei para situações anteriores à sua existência como no caso, é preciso verificar, em primeiro lugar, se o contrato de trabalho já foi extinto, se está em curso ou se foi firmado após a vigência da nova lei, já que a CR/88 consagra os princípios do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada, previstos em seu artigo 5º, XXXVI. Em outras palavras, a Constituição brasileira adota o princípio da irretroatividade, segundo o qual a lei nova não será aplicada às situações ocorridas na vigência da lei revogada ou modificada. “Este princípio objetiva garantir a segurança, a certeza e a estabilidade das relações jurídicas, em suma, as alterações legislativas não podem afetar a segurança jurídica e nem prejudicar o direito das pessoas, seja o de ordem privada, seja o de ordem pública”, destacou na decisão.

Isolamento dos atos processuais - Em relação às normas de direito processual, pontuou a desembargadora que se aplica a teoria do isolamento dos atos processuais, prevista no Código de Processo Civil, em seu artigo 1.046, segundo o qual os atos processuais são regidos pelas regras vigentes no momento em que praticados. Nesse quadro, a norma processual não retroage, mas devem ser respeitadas as situações jurídicas consolidadas sob a vigência da norma revogada, nos termos do art. 14, do CPC. Assim, conforme esclareceu a julgadora, as situações jurídicas já estabelecidas quando do ajuizamento da ação devem ser tratadas com a legislação revogada. “No caso, como a ação foi ajuizada em outubro de 2016, antes da entrada em vigor da Lei 13.467/2017, não se aplicam as alterações procedidas pela nova lei, não sendo permitido tirar um direito do empregado que já havia se consolidado com a lei anterior” , frisou.

Acidente do Trabalho X Atividade de Risco - Em seus fundamentos, a desembargadora registrou que, em regra, a responsabilização do empregador pelos prejuízos causados ao empregado decorrentes de acidente de trabalho exige a comprovação de dolo ou culpa. Ou seja, para a obrigação de reparação do empregador, é necessário que se prove que a empresa contribuiu com dolo ou culpa para a ocorrência do acidente sofrido pelo empregado. Mas, segundo acrescentou a relatora, o artigo 927, parágrafo único, do Código Civil, prevê a possibilidade de reconhecimento da responsabilidade objetiva do empregador, quando a atividade empresarial, por sua própria natureza, implicar riscos para a saúde do empregado. Para a magistrada, essa é a situação que se desenhou no processo.

Isso porque, de acordo com a CAT (Comunicação de Acidente do Trabalho) apresentada, o reclamante sofreu típico acidente do trabalho, quando, em setembro/2016, no exercício de suas atividades profissionais na ré, foi realizar a limpeza dos filtros de água quente (80 a 90 graus Celsius) de centrífugas automáticas, acabando por sofrer queimaduras de 2º grau em 48% de seu corpo. Segundo constatou a julgadora, a tarefa (de manuseio de filtro de limpeza, com alta pressão e uso de líquidos em altíssimas temperaturas) era habitualmente realizada pelo trabalhador, expondo-o diretamente ao risco de acidente, principalmente tendo em vista que a empresa não comprovou, como lhe cabia, que o trabalhador recebeu o treinamento de segurança necessário para a execução do serviço.

E mais: na visão da relatora, ainda que se considerasse que o empregado tinha vasta experiência na atividade, como alegado pela empresa, isso não levaria à conclusão de que o acidente ocorreu por culpa dele, até porque a ré nem mesmo se preocupou em apurar as causas do acidente, limitando-se a alegar, sem provas, a culpa exclusiva do trabalhador. Além disso, ponderou a julgadora que, independentemente de qualquer outra discussão, é dever da empresa adotar as medidas de segurança compatíveis com o grau de risco existente no ambiente de trabalho, o que não foi feito pela ré de forma satisfatória.

Para a desembargadora, ao falhar na adoção das medidas de segurança no ambiente de trabalho, a empresa ofendeu a CR/88 que, em seu artigo 7ª, inciso XXII, assegura o direito dos trabalhadores à redução dos riscos inerentes ao trabalho por meio de normas de saúde, higiene e segurança. Violou também o artigo 157, II, da CLT, que estabelece a obrigação da empregadora de instruir os empregados sobre os cuidados para se evitarem acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais. “A diligência do empregador deve ser positiva e envolve ações efetivas de proteção à saúde dos empregados. Além do mais, o fato de se tratar de uma atividade corriqueira não afasta o risco de acidente e nem dispensa o empregador de realizar treinamentos de segurança”, destacou na decisão, acrescentando que, no caso, a ré nem mesmo comprovou que colocava alerta de segurança ou placa indicativa sobre os riscos à integridade física do trabalhador.

Ausência de culpa do trabalhador - A afirmação da empresa de que o acidente teria ocorrido por culpa exclusiva do empregado também foi afastada pela relatora. Foi mantido o entendimento adotado na sentença de que cabia à empresa comprovar suas alegações, o que não cuidou de fazer. É que, se por um lado a ré não demonstrou que o trabalhador agiu com negligência, imprudência ou imperícia na execução dos serviços, por outro, a lei impõe ao empregador a responsabilidade de se empenhar na adoção de todas as providências possíveis e necessárias para impedir acidentes em seu estabelecimento, garantindo condições adequadas de trabalho aos empregados. “A empresa não pode ter uma atitude negligente, especialmente quando se trata de trabalho que demanda a utilização de equipamentos com elevado índice de perigo, como o que era realizado pelo reclamante, devendo garantir os cuidados previstos na legislação, além de promover treinamentos e fiscalizações para evitar acidentes, o que, como se viu, não foi feito pela ré”, concluiu a desembargadora.

Por tudo isso, a Turma negou provimento ao recurso para manter a sentença que reconheceu a culpa da empresa pelo acidente que vitimou o empregado e condenou-a ao pagamento de indenização por danos morais e estéticos, fixada em R$65.000,00, em virtude do abalo moral sofrido pelo trabalhador, agravado pelas marcas de queimaduras ao longo do corpo, o que pôde ser observado por fotografias apresentadas no processo.

PJe: 0011634-45.2016.5.03.0156 (RO)


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2019 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet