Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic. "
(Luis Fernando Veríssimo)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

MPT processa Super Maia por desvirtuar Comissão de Conciliação Prévia

http://www.prt10.mpt.mp.br/ (publicada em 08/08/2018)


O Artigo 477, § 6o, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), prevê que as verbas rescisórias devem ser quitadas em até dez dias, contados a partir do término do contrato.

No entanto, o Paulo e Maia Supermercados Ltda. (Supermaia) vem descumprindo a legislação vigente, desvirtuando o objetivo das Comissões de Conciliação Prévia para conseguir o parcelamento das verbas rescisórias de seus antigos empregados, homologando acordos indevidos e atrasando o pagamento integral das verbas rescisórias, conforme determina a Lei.

O procurador Carlos Eduardo Carvalho Brisolla, do Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF), buscou a Justiça do Trabalho para dar fim à prática. Ele entende que os acordos realizados juntos às Comissões de Conciliação são “meros subterfúgios para concretizar parcelamento não previsto em lei e em direto confronto com o que disposto no artigo 477 da CLT”.

Segundo o procurador, “não há margem para discricionariedade em tal prazo ou mesmo no pagamento integral das parcelas devidas”. Ele também reforça que a situação da empresa, em recuperação judicial, “não é escusa para sonegação de parcelas rescisórias”.

Nos pedidos peticionados na Justiça, o Ministério Público do Trabalho pede que seja determinado o fim da prática, sob pena de multa de R$ 10 mil por acordo irregular firmado. O órgão ministerial requer o pagamento de multa no valor de R$ 250 mil, a título de dano moral coletivo.

O MPT também recomendou aos Sindicatos envolvidos que não aceitem tais homologações.

O pedido liminar não foi concedido pelo juiz do Trabalho substituto, Marcos Ulhoa Dani, da 13ª Vara do Trabalho de Brasília. Segundo o magistrado, “as alegações trazidas dependem ainda de instrução probatória, em efetivo respeito ao princípio da ampla defesa e do contraditório”.

Ainda não foi definida data da audiência inicial.

Processo nº 0000675-90.2018.5.10.0013


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2018 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet