Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Quando estamos cheios de bom pensamentos, parece-nos que o mundo está repleto de oportunidades. "
(Walter Grando)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Unidades da Ri Happy em todo o Brasil devem conceder descanso semanal aos seus empregados

http://www.prt10.mpt.mp.br/ (publicada em 11/07/2018)


A Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região manteve a condenação da Ri Happy Brinquedos S.A., após ação do Ministério Público do Trabalho (MPT) comprovar que a empresa não concedia o descanso semanal remunerado corretamente.

A multa foi mantida em R$ 100 mil, mas o segundo grau concordou com o MPT e estendeu a territorialidade da Decisão para todas as lojas – matriz e filiais – do Brasil. Em primeira instância, o juízo havia limitado a obrigação às lojas do Distrito Federal.

Com a nova Decisão, a Ri Happy deve respeitar a legislação e conceder o descanso semanal aos seus empregados, sob pena de multa de R$ 1 mil para cada irregularidade constatada. São 60 dias, a partir do Acórdão, para cumprimento da Decisão.

Para o procurador Luís Paulo Villafañe Gomes Santos, autor da Ação Civil Pública e do Recurso Ordinário, o laudo pericial do MPT demonstra que a irregularidade vinha ocorrendo em diversas unidades espalhadas pelo Brasil e que restringir a condenação ao Distrito Federal “é configurar um tratamento desigual para situações idênticas, é conceder um salvo conduto para que as unidades fora do DF possam manter a prática ilícita”.

Entenda o caso:

O MPT constatou em investigação que a Ri Happy não cumpria a obrigação trabalhista de conceder folga semanal aos seus empregados. A partir da análise das folhas de ponto, a perícia do MPT-DF apresentou casos em que empregado trabalhou por 14 dias consecutivos, sem descanso.

A empresa não nega a irregularidade, mas alega que o descanso semanal funcionaria em lógica semelhante às férias, ou seja, poderia ser acumulado para outra semana sem nenhum prejuízo.

O relator do Processo em segunda instância, desembargador José Leone Cordeiro Leite afirma que os documentos trazidos pelo MPT confirmam que são várias as situações em que o repouso semanal ocorre após o sétimo dia de trabalho consecutivo.

O magistrado destaca que a jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho está consolidada no sentido de que o repouso semanal deve ser concedido até o sétimo dia de trabalho consecutivo.

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), a empresa possui cerca de 2.700 empregados, e 189 lojas em todo o País.

Processo nº 0000284-25.2015.5.10.0019


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2019 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet