Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"O homem pode acreditar no impossível, mas nunca pode acreditar no improvável. "
(Oscar Wilde)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Município de Caetés sofre ação judicial por omissão no combate ao trabalho infantil

http://www.trt6.jus.br/


O Ministério Público do Trabalho em Pernambuco (MPT-PE) ingressou com ação civil pública contra o município de Caetés, requerendo determinação judicial para impor a obrigação de o reclamado adotar 20 medidas que tornam o combate ao trabalho infantil mais eficaz na região. O juízo de primeiro grau julgou procedentes os pleitos e a sentença foi mantida em sede de recurso, de forma unânime, pelos magistrados da 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-PE). Além disso, ficou arbitrada multa de R$ 50 mil e mais R$ 5 mil por cada criança ou adolescente prejudicado, em razão da insuficiência das ações desenvolvidas até o presente. Os valores serão revertidos para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Em ato de fiscalização na cidade, o Ministério do Trabalho e Emprego constatou o trabalho irregular de quatro crianças e adolescentes em uma feira livre, onde realizavam atividade de venda e carregamento de mercadorias, havendo notificado a Prefeitura para a adoção das medidas combativas. Porém, segundo o órgão federal, o município manteve condutas permissivas à continuidade da exploração, o que ensejou a propositura da ação: “[...]para cumprir aquele dever jurídico, não pode quedar-se inerte ou agir de forma ineficaz, como se a ilicitude não ocorresse em seu território”, asseverou o autor do processo (o MPT).

Em sua defesa, o município de Caetés afirmou que vinha realizando iniciativas para a erradicação do trabalho infantil, mas sofria com a carência de órgãos de apoio, como o

Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), o Serviço de Convivência e o Conselho Tutelar. Juntou documentos no curso da ação para tentar comprovar suas alegações, porém findou sendo condenado em primeira instância e manejou recurso para o TRT.

Mas não prosperou. O relator do recurso na segunda instância, desembargador José Luciano Alexo da Silva, ressaltou que “A omissão implica grave risco à formação e integridade física e moral de crianças e adolescentes que trabalham naquelas condições”.

Dentre as obrigações impostas ao município: Garantir verba suficiente para implementação adequada dos programas e ações de erradicação do trabalho infantil; Formular, no prazo de 120 dias, – a contar do trânsito em julgado da decisão – o diagnóstico de todas as crianças em condição de labor na cidade, com dados suficientes para identificação de cada uma delas; Elaborar e implantar plano de ação para enfrentamento e erradicação do trabalho infantil; Realizar, em conjunto com o Conselho Tutelar, monitoramento (busca-ativa) diário do trabalho de crianças e adolescentes nos logradouros públicos de Caetés, inserindo as crianças e adolescentes em programas sociais e informando sobre eventuais exploradores de seu trabalho às autoridades competentes, para a devida punição.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2018 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet