Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Não sou como deveria ser"
Nem o que eu queria ser"
Ou o que virei a ser"
Mas estou grato por não ser mais quem costumava ser."
Benjamin Franklin


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Empresa de vigilância está obrigada a contratar aprendizes

Fonte: http://www.prt10.mpt.mp.br/ (publicada em 15/05/2018)


A Graber Sistemas de Segurança Ltda. deve preencher, no mínimo, 5% do seu quadro com jovens aprendizes. A determinação imposta pela juíza Eliana Pedroso Vitelli, da 1ª Vara do Trabalho de Brasília, atende ao pedido do Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF) que comprovou o não cumprimento da Cota Legal e a falta de vontade da empresa em atender a legislação.

O procurador Luís Paulo Villafañe Gomes Santos, autor da Ação Civil Pública (ACP), explica que foram dadas oportunidades para que a empresa regularizasse a situação, antes do ajuizamento da ACP. Entretanto, não houve resposta da Graber durante a investigação no órgão ministerial, nem mesmo a comprovação junto à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, que também notificou a empresa para que fosse efetivada a contratação de pelo menos sete aprendizes.

Durante o Processo Judicial, a Graber negou que estivesse descumprindo o Artigo 429 da CLT – que prevê o cumprimento da Cota Legal de Aprendizes no percentual mínimo de 5% –, e alegou que a atividade de vigilância “é absolutamente incompatível com os contratos de aprendizagem”.

O argumento, no entanto, foi refutado pelo procurador Luís Paulo Gomes. Ele explica que as funções a serem contabilizadas para fins de cálculo da Cota Legal estão dispostas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), elaborada pelo Ministério do Trabalho.

Na CBO, a função de vigilante está expressa, com a determinação de que “as ocupações nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos”.

“Percebe-se, portanto, que o intuito da empresa é apenas o de protelar o cumprimento dessa importante norma social. Reitere-se que a conduta prejudica não somente o direito difuso dos jovens aprendizes em potencial, privados de uma adequada formação profissional e de inclusão formal no mercado de trabalho, mas também toda a sociedade, que necessita qualificar estes seus integrantes a fim de que possam ingressar e permanecer no mercado formal de trabalho”, conclui o procurador.

A juíza Eliana Pedroso concordou com a tese ministerial, ressalvando, apenas, que a contratação de aprendizes para a função de vigilante deve respeitar a idade mínima de 21 anos. Ela explica, no entanto, que é perfeitamente compatível a contratação, já que a aprendizagem admite jovens de até 24 anos.

Outro ponto abordado pela magistrada é a jurisprudência pacífica do Tribunal Superior do Trabalho (TST) a respeito do tema. Segundo o entendimento do órgão, a função de vigilante deve ser contabilizada para o cálculo da cota de aprendizes.

“Ora, ao se considerar adequada a contratação de aprendizes como vigilantes, é porque, logicamente, se pressupôs que a admissão desses jovens para a função é positiva ao seu aprimoramento intelectual e profissional”, afirma a juíza.

A magistrada fixou a multa por dano moral coletivo em R$ 70 mil, determinando a reversão do valor ao Fundo para a Infância e Adolescência.

Além de a multa, a empresa tem 60 dias para cumprir a obrigação e contratar o número mínimo de aprendizes. Caso descumpra a determinação, vai pagar R$ 1 mil por dia e por jovem não contratado.

Processo nº 0001671-61.2017.5.10.0001


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2018 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet