Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"O homem pode acreditar no impossível, mas nunca pode acreditar no improvável. "
(Oscar Wilde)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Empresa terá que indenizar motorista que teve quadro depressivo agravado por assalto sofrido no trabalho

Fonte: https://portal.trt3.jus.br/


Ele era motorista de transporte de valores e apresentava um quadro depressivo grave, que o deixou incapacitado para o trabalho, acabando por se aposentar por invalidez. Disse que ficou assim após passar por duas situações que lhe trouxeram pânico e sensação de insegurança. A primeira, quando o veículo da empresa em que trabalhava foi furtado na porta da sua casa. A segunda, quando foi rendido, também em veículo da empregadora, por três assaltantes armados, a caminho da empresa. Ele pediu reparação por danos morais e materiais, pedidos esses acolhidos pela juíza Fabiana Maria Soares que, em sua atuação na 4ª Vara do Trabalho de Uberaba, condenou a empregadora a lhe pagar indenização de 25 mil reais. A empresa também foi condenada a ressarcir o trabalhador por despesas com medicamentos psiquiátricos, a título de danos materiais. Ficou constatado que, embora os problemas psíquicos do motorista também estivessem relacionados a outras questões que nada tinham a ver com o trabalho, eles foram agravados pelo estresse pós-traumático decorrente do assalto que ele vivenciou no serviço.

Após analisar o trabalho, o histórico clínico, o estado mental e os hábitos de vida do motorista, o médico perito que atuou no caso concluiu que ele sofreu de estresse pós-traumático causado pelo assalto durante sua jornada de trabalho. Mas o laudo chamou atenção para o fato de que o estado depressivo do reclamante também era decorrente de “outros eventos estressores que motivaram a piora do quadro”. Diante disso, a magistrada entendeu que o trabalho desempenhado na empresa apenas contribuiu para o surgimento da moléstia, não tendo sido, portanto, sua única causa.

Neste cenário, a julgadora entendeu que não se poderia afastar a responsabilidade da empregadora pela doença do reclamante, especialmente tendo em vista a situação de risco à qual ele se expunha no trabalho de transporte de valores. Contribuiu para essa conclusão o fato de que o trabalhador realizava esta tarefa sem o devido treinamento. “Ainda que não se possa atribuir o surgimento/agravamento da patologia exclusivamente ao assalto sofrido no curso do contrato de trabalho, o nexo de concausalidade autoriza concluir pela existência de doença equiparada a acidente de trabalho nos termos do art. 21, I, da Lei 8.213/91. Comprovado o dano causado ao trabalhador (doença), a atitude antijurídica do empregador (transporte de valores sem treinamento) e nexo causal entre eles (surgimento da doença) resta caracterizada a responsabilidade da empresa”, destacou, na sentença.

Além da indenização por danos morais, a empresa também foi condenada a ressarcir o trabalhador de despesas com medicamentos devidamente comprovadas (danos materiais) e, ainda, a proceder aos depósitos do FGTS na conta vinculada dele desde a data do afastamento do serviço até a concessão da aposentadoria por invalidez.

Processo
PJe: 0011505-38.2015.5.03.0168 — Sentença em 29/04/2018


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2018 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet