Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"A cada novo minuto você tem a liberdade e a responsabilidade de escolher para onde quer seguir, mas é bom lembrar que tudo na vida tem seu preço. "
(Zíbia Gasparetto)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

JT-MG nega adicional de periculosidade a inspetor de segurança

Fonte: https://portal.trt3.jus.br/


A Lei 12.740/2012 alterou o artigo 193 da CLT, que passou a considerar, em seu inciso II, como atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a roubos ou outras espécies de violência física nas atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial.

A concessão do adicional de periculosidade está condicionada à regulamentação do Ministério do Trabalho e Emprego, que somente veio a ocorrer com a publicação da Portaria nº 1885, em 03/12/2013. Tratando-se de trabalhador não enquadrado no Anexo III da NR-16, não há direito à parcela.

Assim entendeu a 3ª Turma do TRT de Minas, com base no voto da desembargadora Emília Facchini, ao julgar o recurso de um inspetor de segurança plantonista que não se conformava com o indeferimento do pedido de adicional de periculosidade. O trabalhador insistia no reconhecimento do direito, alegando que trabalhava exposto à violência física na empregadora, uma associação de proteção e assistência aos condenados de Alfenas-MG.

Em sua decisão, a relatora observou que o funcionário trabalhava com reeducandos da associação, sem porte de arma de fogo. Para a magistrada, a função exercida não se confunde com a de vigilante, enquadrada no conceito de categoria regida por legislação própria (Lei 7.102/83).

Conforme exposto no voto, o trabalho exercido, no caso, não se encaixa no conceito de vigilância patrimonial descrita pelos itens 2 e 3 do Anexo 3, da NR-16, da Portaria MTE nº 1.885, de 02 de dezembro de 2013. A julgadora chamou a atenção para a revelação da prova oral, no caso, de que os agentes de segurança não eram orientados a confrontar os detentos, podendo evadir em caso de ocorrência.

O argumento do trabalhador de que o certificado de conclusão do curso de formação de vigilante não teria sido impugnado pela ré, garantido o direito ao adicional de periculosidade, foi rejeitado. No entender da julgadora, isso não impede o reconhecimento do desatendimento à Portaria expedida pelo Ministério da Justiça, de observância obrigatória (artigo 156, parágrafo 7º, da Portaria 3.233/12). “O registro no referido órgão é imprescindível ao exercício da profissão de vigilante”, pontuou, observando que o certificado apresentado pelo funcionário está vencido desde 22/01/2005.

A decisão se referiu à Súmula 44 do TRT de Minas, cujo conteúdo é o seguinte: "ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. INCISO II DO ART. 193 DA CLT. VIGIA. É indevido o pagamento do adicional de periculosidade previsto no inciso II do art. 193 da CLT (inserido pela Lei n. 12.740/12) ao vigia, cuja atividade, diversamente daquela exercida pelo vigilante (Lei n. 7.102/83), não se enquadra no conceito de "segurança pessoal ou patrimonial" contido no item 2 do Anexo 3 da NR-16, que regulamentou o referido dispositivo."

Com relação aos episódios ocorridos com outros agentes de segurança, revelados pelas testemunhas, a relatora considerou que não asseguram o adicional de periculosidade. Segundo ponderou, estes foram esporádicos e equivalem aos riscos enfrentados por profissionais que exercem atividade de vigia. Nesse contexto, foi negado provimento ao recurso do trabalhador.

Processo
PJe: 0010615-83.2017.5.03.0086 (RO) — Acórdão em 28/02/2018


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2018 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet