Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Ninguém pode construir em teu lugar as pontes que precisarás passar para atravessar o rio da vida. Ninguém, exceto tu, só tu. "
(Nietzsche)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Em ação de execução, MPT/AL cobra R$ 150 mil de prefeito e Município de Atalaia por irregularidades trabalhistas

Fonte: http://www.prt19.mpt.mp.br/ (publicada em 04/12/2017)


Município firmou termo de ajustamento de conduta em 2016 se comprometendo a garantir melhores condições de trabalho aos garis


Maceió/AL - Por ferir a legislação trabalhista e desrespeitar termo de compromisso de ajustamento de conduta (TAC), o Ministério Público do Trabalho em Alagoas (MPT/AL) ajuizou uma ação de execução de obrigações de pagar quantia certa e fazer contra o Município de Atalaia. O prefeito Francisco Luiz de Albuquerque, conhecido como Chico Vigário, também é alvo do pedido da instituição, que defende condições dignas de trabalho para os garis da cidade.

Na ação de execução de título extrajudicial, o MPT/AL requereu ao Juízo da Vara do Trabalho de Atalaia que determine ao Município o cumprimento de cinco cláusulas do TAC firmado em 2016 e o pagamento de multa de R$ 30 mil pelo desrespeito a cada uma delas, num total de R$ 150 mil, mais juros e correção monetária. O valor terá como destino o Fundo de Amparo ao Trabalhador ou entidade pública indicada pelo Ministério Público do Trabalho.

Entre as cláusulas do TAC, encontram-se o fornecimento gratuito de equipamentos de proteção individual adequados ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento; de fardamento em quantidade adequada ao uso, com reposição regular e higienização no local de trabalho; e de protetor solar aos que executam serviços a céu aberto, ainda que em caráter intermitente.

Diante das alegações da Prefeitura de Municipal de falta de recursos para cumprimento do TAC, a procuradora do Trabalho Eme Carla Carvalho lembra que o Município já deveria cumprir as obrigações independentemente do acordo firmado, porque elas são impostas pela própria legislação trabalhista.

“O não cumprimento das normas mínimas de proteção da saúde e segurança do trabalhador, que diariamente, em seu labor, está exposto a riscos biológicos, químicos e de contato com materiais perfuro cortantes constitui descumprimento dos mais basilares direitos e afronta a dignidade da pessoa humana”, expôs a representante do Ministério Público do Trabalho.

Conforme a ação, o prefeito de Atalaia, Chico Vigário, responde solidariamente no processo de execução do título extrajudicial.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2018 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet