Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"O mais importante da vida não é a situação em que estamos, mas a direção para a qual nos movemos. "
(Oliver Wendell Holmes)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Não comete ato ilícito instituição bancária que monitora vida financeira de empregado

Fonte: https://portal.trt3.jus.br/


O fato de a instituição bancária monitorar a vida financeira do empregado, sem evidência de abuso ou indevida divulgação dos dados a terceiros, não constitui violação ao direito da personalidade. Com base nesse entendimento, a 5ª Turma do TRT de Minas confirmou a sentença que negou o pedido de indenização por danos morais a uma gerente de banco.

A trabalhadora alegou que o banco vasculhava a sua conta-corrente em auditorias internas e fiscalizava sua movimentação bancária. Além disso, restringia a abertura de conta ou investimentos em outras instituições financeiras. Segundo apontou no recurso, a prova oral demonstrou que havia monitoramento excessivo, o que teria atingido sua liberdade individual, intimidade e vida privada, causando permanente preocupação e constrangimento. Por fim, afirmou que a Lei Complementar nº 105/2001, que trata do sigilo bancário, não autoriza a prática adotada pelo patrão.

No entanto, o desembargador Manoel Barbosa da Silva não lhe deu razão. Conforme destacou em seu voto, as instituições bancárias seguem as determinações do Banco Central, no sentido de controlar e monitorar das contas bancárias abertas, incluindo as de seus empregados. Até mesmo para caracterização de crimes previstos na Lei º 9.613/98, que dispõe sobre os crimes de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores.

O relator lembrou que, em atendimento às normas da Lei º 9.613/98, as instituições bancárias têm o dever de manter transações financeiras lícitas e estão sujeitas a prestar informações aos órgãos governamentais. Isso inclui o dever de fiscalizar os seus empregados, não bastando a simples fidúcia exigida dos bancários nas relações de emprego com o banco.

“O procedimento de monitoramento de contas é comum a todos os correntistas, por força da Lei nº 9.613/98, que determina que as instituições financeiras dispensem especial atenção às operações que possam constituir indícios de crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores.”, registrou.

Para o desembargador, portanto, não comete ato ilícito a Instituição Financeira que cumpre determinação prevista em lei, não constituindo qualquer violação ao direito da personalidade do empregado o fato de o empregador, instituição bancária, monitorar a sua vida financeira. Ademais, entende que não ficou caracterizada a quebra do sigilo bancário, compreendendo nesse conceito a divulgação para terceiros de sua movimentação bancária, circunstância reconhecida pela própria trabalhadora. De acordo com a decisão, a prova dos autos revelou, apenas, que o banco monitorava a vida financeira dos funcionários de forma geral e impessoal.

Quanto à restrição de abertura de conta ou de realizar investimentos em outras instituições financeiras, o relator não enxergou prática ilícita por parte do empregador. Isso por considerar a exigência contratual compatível com a natureza da prestação de serviços e por se traduzir em procedimento ético por parte do empregado. Com esses fundamentos, negou provimento ao recurso. A Turma de julgadores acompanhou o entendimento, por maioria de votos.

Processo
PJe: 0011374-12.2016.5.03.0012 (RO) — Acórdão em 18/07/2017


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet