Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Se as coisas são inatingíveis, não é motivo para não querê-las. Que tristes seriam os caminhos, sem a mágica presença das estrelas."
(Mário Quintana)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Necessidade da empresa de comprovar horários quando ausentes os cartões de ponto é relativa

Fonte: http://www.trt6.jus.br/ (publicada em 12/09/2017)


A 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-PE) utilizou a súmula 338 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) como base para a decisão de recurso impetrado por ex-funcionário que pedia o reconhecimento de horas extras trabalhadas e não recebidas. A citada súmula diz ser da empresa com mais de 10 empregados a obrigação pelo controle de frequência de cada um deles.

Essa necessidade, no entanto, pode ser suprida por outras provas. Portanto, diz-se que é um dever relativo de quem contrata a comprovação da jornada de trabalho via folha de ponto. Assim diz literalmente a súmula 338: “A não-apresentação injustificada dos controles de freqüência gera presunção relativa de veracidade da jornada de trabalho, a qual pode ser elidida por prova em contrário.”

Ao analisar o recurso, os magistrados decidiram, por unanimidade, adotar os horários descritos pelo ex-funcionário na inicial. Isso porque a empregadora deixou de apresentar quase metade das folhas de ponto e também não conseguiu refutar, com provas, a frequência apresentada pelo trabalhador.

O relator do voto, o desembargador Eduardo Pugliesi, explicou no acórdão: “Via de regra, adoto o entendimento de que deve se aplicar uma média ponderada dos registros presentes na fixação da jornada a ser utilizada quanto àqueles ausentes (...). Porém, na hipótese em exame, em que os registros faltantes correspondem a quase metade do período contratual de labor, a razoabilidade pende em sentido contrário, ou seja, de efetivamente adotar a jornada descrita na peça inaugural (pelo funcionário) (...)”.

Foi desta forma, então, que a decisão de 1º grau foi parcialmente reformada pela 3ª Turma, dando ao trabalhador o direito a receber as horas extras descritas por ele no pedido inicial. A única diferença foi com relação ao intervalo intrajornada, de que o próprio funcionário afirmou que, de fato, usufruía, apesar de ter alegado de forma diferente inicialmente.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet