Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Jamais confunda conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar uma vida, o outro, a construir uma vida."
Sandra Carey


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Empresa recorre, mas Justiça confirma indenizações

Fonte: https://www.trt13.jus.br/


Laudo pericial confirmou que a atividade contribuiu como concausa para agravamento de doença


Uma trabalhadora, que foi dispensada sem justa causa, embora fosse portadora de estabilidade provisória, encontrava-se acometida de doença ocupacional, ganhou, na Justiça, o direito a indenização. Não satisfeita, a A&C Centro de Contato S/A entrou com embargos de declaração contra o acórdão proferido em sede de recurso ordinário.

A Primeira Turma de Julgamento do Tribunal do Trabalho da Paraíba, por unanimidade, acolheu parcialmente os embargos de declaração, para acrescentar os fundamentos relativos à estabilidade provisória, sem modificar a ação julgada. A empresa sustentou que a decisão analisou apenas a questão relativa ao dano moral, ficando totalmente omissa em relação à indenização decorrente da suposta estabilidade, tema que foi objeto do recurso.

Em análise da matéria, o relator do processo 0000742-57.2016.5.13.0008, desembargador Paulo Maia Filho, verificou que, a respeito da doença ocupacional, constar no acórdão embargado, ter o perito atestado a existência de concausa entre a patologia apresentada pela trabalhadora e a atividade dela em favor da empresa. No caso dos autos, o laudo pericial deixou bem claro que, embora a atividade desenvolvida pela reclamante não tenha sido fator determinante para o surgimento das patologias por ela apresentadas, contribuiu como concausa para o seu agravamento.

Ficou constatado, no laudo, que a trabalhadora era portadora de nódulos nas cordas vocais, causa da rouquidão, com nexo de causalidade com as atividades de telemarketing exercidas pela periciada e que ela estava incapacitada, de forma parcial e temporária, para as atividades que exercia na empresa, mas que poderia exercer outras atividades que não demandassem o uso da voz.

Com relação à estabilidade, o desembargador-relator citou o artigo 118 da Lei 8.213/1991, o qual estabelece ter o segurado, que sofreu acidente de trabalho, garantida, pelo prazo mínimo de doze meses, a manutenção do seu contrato de trabalho na empresa após a cassação do auxílio-doença acidentário, independente de percepção de auxílio-acidente. A mesma lei reconhece a concausa como evento equiparável ao acidente de trabalho, ao estabelecer que, equipararam-se também ao acidente de trabalho, para efeitos desta lei.

“Como já dito anteriormente, ficou comprovada a existência de nexo de concausalidade entre a doença adquirida pela reclamante e as atividades exercidas por ela na empresa e que, quando foi dispensada, encontrava-se acometida de doença ocupacional”, disse o desembargador-relator, destacando que, considerando o histórico da trabalhadora, bem como a conclusão do laudo pericial, fica garantida a estabilidade provisória no emprego.

O magistrado concluiu que, ultrapassado o período de estabilidade, é de ser mantida, pelos próprios fundamentos, a sentença que condenou a demandada ao pagamento de indenização substitutiva do período de estabilidade. “Acolho parcialmente os embargos de declaração, para acrescer ao acórdão embargado os fundamentos relativos à estabilidade provisória, sem conferir efeito modificativo ao julgado.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet