Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Se as coisas são inatingíveis, não é motivo para não querê-las. Que tristes seriam os caminhos, sem a mágica presença das estrelas."
(Mário Quintana)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Laboratório é multado em 1,8 milhão por desrespeitar acordo

Fonte: http://www.prt18.mpt.mp.br/


Teuto descumpriu TAC em que se comprometia a respeitar a jornada de seus empregados

O Laboratório Teuto S/A, multinacional do ramo farmacêutico, vai pagar multa de R$ 1,8 milhão por ter descumprido acordo judicial firmado em 2014 com o Ministério Público do Trabalho (MPT) em Goiás. O valor será pago em 15 parcelas, a partir de janeiro de 2018. Essa é a segunda vez que a empresa paga multa por descumprir acordo.

Para evitar a execução judicial da penalidade prevista no acordo, foi realizada, na unidade do MPT em Anápolis, uma audiência de conciliação extrajudicial. Ficou estabelecido que a Teuto, além de pagar R$ 1,8 milhão, tem de adequar sua conduta em relação à jornada, o que, segundo o procurador do Trabalho Meicivan Lemes Lima, responsável pelo caso, será constantemente verificado.

Conforme explica Meicivan, o valor poderá ter dois destinos: o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) ou revertido, em forma de doação, a instituições, públicas ou privadas, indicadas pelo MPT. “Quando optamos pela doação, a quantia é liberada mediante a apresentação de um projeto elaborado pela entidade e da documentação necessária, ambos analisados pelo MPT. A prestação de contas da utilização do recurso deve ser feita como determina o Termo de Destinação e Responsabilidade, assinado pelo beneficiado”, esclareceu.

Entenda o caso
Em 2012, o MPT iniciou uma investigação para apurar denúncias recebidas contra o laboratório. Durante o inquérito, foram constatadas irregularidades como jornada extraordinária em desacordo com a lei, falta de intervalo entre jornadas, além da ausência de anotações e do controle das horas extras.

Em 2014, o MPT ajuizou Ação Civil Pública (ACP) contra a multinacional. Contudo, antes de a ação ser julgada, a empresa decidiu firmar um acordo com o MPT. Nele, a indústria farmacêutica se comprometeu a não prorrogar a jornada além do limite legal de duas horas diárias; registrar os horários de entrada, saída e descanso dos empregados; conceder período mínimo de 11 horas consecutivas entre duas jornadas de trabalho; dar folga em domingos e feriados; e conceder um dia de descanso semanal.

Na época, a empresa foi penalizada em R$ 350 mil, a título de indenização por danos morais coletivos.

Reincidência e multa milionária
Em 2015, verificou-se, após investigação por parte do MPT, que o laboratório desrespeitou o acordo assinado em 2014. Novamente, a Teuto propôs uma conciliação extrajudicial, na qual estipulou-se que a multinacional pagaria multa de R$ 1,4 milhão, além de ter de se adequar às normas trabalhistas. O valor foi revertido, como doação, a entidades filantrópicas e ao Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet