Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho, há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!"
(Machado de Assis)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

TRT-RN: Petrobras não pode ser responsabilizada por acordo judicial de prestadora de serviço

Fonte: http://www.trt21.jus.br/ (publicada em 14/07/2017)


A 1ª Vara do Trabalho de Mossoró (RN) julgou improcedente pedido de responsabilização subsidiária da Petrobras pelo pagamento das verbas rescisórias decorrentes de acordo celebrado entre um trabalhador e a empresa S.F.E. Segurança Patrimonial e Privada Ltda.
O acordo, feito durante audiência de instrução - sem a participação da Petrobras, para quem a S.F.E. prestava serviço de terceirização - garantiu o pagamento de verbas trabalhistas e danos morais ao ex-empregado, no valor de R$ 70 mil.

Por esse mesmo acordo, ficou determinado, ainda que, em caso de descumprimento, o ex-empregado poderia requerer o julgamento em relação à responsabilidade dos demais reclamados do processo.

O juiz Higor Marcelino Sanches, no entanto, negou o pedido do trabalhador para incluir a Petrobras na execução do processo devido ao não cumprimento do acordo.

Para o juiz, "esse acordo é resultado de concessões recíprocas, atingindo apenas e tão somente as partes que o subscreveram.

Assim, é incabível a responsabilização da Petrobras pelo pagamento das verbas devidas pela terceirizada ao ex-empregado porque ela não fez parte do acordo homologado entre a S.F.E e o trabalhador.

Higor Sanches reforça sua convicção baseado no Princípio da Relatividade dos Contratos (artigo 421, do Código Civil), que tem por base a ideia de que terceiros não envolvidos na relação contratual não se submetem aos efeitos do contrato.

Nesse caso, como prevê a lei, o contrato só produz efeitos em relação às pessoas que dele participam e que se manifestaram suas vontades.

Baseado nesse entendimento, o juiz determinou que a execução prossiga exclusivamente contra a S.F.E. Segurança Patrimonial e Privada Ltda.

Processo nº 0000465-15.2013.5.21.0011


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2018 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet