Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades. "
(Maxwell Maltz)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Justiça brasileira não pode julgar dispensa de funcionário de vice-consulado

Fonte: http://www.trt8.jus.br/


Estados estrangeiros representados por vice-consulado têm imunidade de jurisdição e de execução sobre os atos que praticam, só podendo ser julgados no Brasil se renunciarem expressamente a esse duplo benefício. Assim entendeu a 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (PA) ao declarar extinto processo movido por um ex-funcionário do vice-consulado de Portugal, com sede em Belém.

O autor reclamou de ter sido dispensado quando completou 70 anos de idade e, em primeiro grau, conseguiu direito de receber diferenças salariais, aviso prévio, 13º salário e FGTS com indenização por dano moral. Mas a decisão foi derrubada depois que a entidade portuguesa recorreu ao TRT-8, representada pelo advogado João Alfredo Miléo, gerente da área trabalhista do Silveira, Athias, Soriano de Mello, Guimarães, Pinheiro & Scaff – Advogados.

O relator, desembargador Georgenor de Sousa Franco, definiu como “imensa confusão” responsabilizar um ente público internacional. O primeiro problema, segundo ele, é que o vice-consulado aparecia sozinho como réu, enquanto a própria República de Portugal deveria constar como parte do processo.

Assim, segundo o relator, o contrato de trabalho é “ato jus imperii” de um estado soberano, ficando o Judiciário brasileiro impedido de examinar a validade da demissão. O desembargador afirma que vem pesquisando o assunto nos últimos anos e, “nunca, nenhuma uma única e isolada vez”, uma decisão proferida sem renúncia à imunidade de jurisdição teve sucesso.

Qualquer condenação fica sem efeitos na prática, diz ele, porque sentenças de conhecimento só poderiam ser cumpridas se a imunidade de execução fosse dispensada pelo outro país, também expressamente. Franco aponta que o Supremo Tribunal Federal já reconheceu os privilégios dessas organizações (REs 578.543-MT e 597.368-MT).

Falácia e responsabilidade
Para o desembargador, “a relativização da imunidade de jurisdição tão propalada por alguns, na verdade, é uma grande falácia, porque, queiramos ou não, tudo dependerá da vontade soberana do Estado estrangeiro”.

“E o reclamante, perguntará a comunidade, ficará sem seus sagrados direitos? Não. Não ficará, não, mas jamais devemos olvidar os arts. 5º, da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (LINDB), e 8º, da CLT, lembrando que o interesse comum, o público, o nacional, é superior, maior, mais relevante que o individual, o singular e de uma só pessoa”, afirma.

Segundo ele, a magistratura deve pensar nos efeitos de suas decisões, “jamais pretendendo resolver um caso isolado e podendo gerar problemas sem limites para a pátria brasileira”.

0000014-66.2016.5.08.0004


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet