Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Se as coisas são inatingíveis, não é motivo para não querê-las. Que tristes seriam os caminhos, sem a mágica presença das estrelas."
(Mário Quintana)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Segunda Turma reconhece vinculação do autônomo a sindicato patronal

Fonte: http://www.trt6.jus.br/


A Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-PE) decidiu que um médico, profissional liberal, equipara-se ao papel de empregador previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) a partir do momento que contrata pessoas para o seu consultório. Desse modo, sua representação sindical fica vinculada à categoria patronal, enquanto a dos seus funcionários ao do sindicato obreiro.

A ação judicial foi iniciada pelo Sindicato dos Empregados em Consultórios Médicos e Odonto, Clínicas Médicas e Odonto, Técnicos em Saúde Bucal e Auxiliares em Saúde Bucal na Rede Pública e Privada do Estado de PE (Sindclin) contra o médico, para requerer que o mesmo cumprisse as normas coletivas firmadas entre o referido órgão e o sindicato patronal da área médica: Sindicato dos Hospitais, clínicas C. Saúde LB. Pesq. AN. Clin, do Estado de Pernambuco.

Em sua defesa, o réu alegou ser autônomo e vinculado a uma terceira entidade, o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), não lhe afetando o pactuado entre as duas outras associações. Esse entendimento prosperou na sentença de primeiro grau, mas, no julgamento do recurso, os desembargadores consideraram que o profissional comparava-se ao empregador para fins trabalhistas, portanto cabível o enquadramento patronal e a submissão às normas estipuladas em convenção coletiva. “Nesta toada, tenho que, a despeito da possibilidade de o réu ser representado pelo Simepe quando se encontrar na posição de empregado; deverá ser representado por órgão sindical representante de categoria econômica, quando na posição de empregador - hipótese em análise”, concluiu o relator do acórdão, desembargador Fábio André de Farias.

Apesar disso, os desembargadores extinguiram o processo sem resolução de mérito, por considerarem genéricos os pedidos formulados pelo Sindclin na inicial. Não houve provas ou, sequer, indicações efetivas dos pontos da norma coletiva que o médico teria infringindo. “Ora, são necessários fatos concretos capazes de empolgar o manejo da presente ação judicial, sob pena de transformar esta Justiça Especializada em órgão de fiscalização”, pontuo o relator.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet