Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Se queremos progredir, não devemos repetir a história, mas fazer uma história nova."
Gandhi


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Justiça condena estabelecimento comercial por negligência

Fonte: https://www.trt13.jus.br/


Falta de segurança colocou em risco a saúde de uma empregada


A Justiça do Trabalho da Paraíba condenou a empresa Campina Comércio de Medicamentos (Farmácia do Trabalhador do Brasil) ao pagamento de indenização por danos morais em decorrência de um acidente de trabalho. No laudo pericial, ficou comprovada a negligência da empresa na adoção de medidas de segurança capazes de minorar os riscos à saúde dos trabalhadores que exercem atividades em suas dependências.

No recurso proveniente da 4ª Vara de João Pessoa, a trabalhadora alegou que sofreu acidente de trabalho ao cair de uma escada no estabelecimento da empresa. O fato resultou em fortes dores no pescoço e na coluna, a ponto de afastá-la do trabalho por alguns dias. Em sua defesa, a empresa negou a existência de sua culpa, afirmando que “a autora caiu por sua própria culpa e que o que ocorreu foi mera fatalidade, em razão do descuido da empregada”.

O laudo técnico, que averiguou as condições da escada em que a trabalhadora sofreu a queda, constatou que alguns de seus itens “não estão adequados segundo a NBT 9077, como guarda-corpo vazado sem preenchimento na lateral e material dos degraus aparentando não ser antiderrapante ou/e não apresenta fita antiderrapante”.

Falta de proteção

Diante de tal circunstância, o relator do processo nº 0162100-14.2014.5.13.0004, desembargador Edvaldo de Andrade, concluiu que é irrelevante a alegação da empresa de que a trabalhadora caiu “em razão de um descuido”. Para o magistrado, o que importa, de fato, é a inexistência de proteção adequada na escada onde a reclamante sofreu o acidente, ou seja, é flagrante que não foram adotadas, pela empresa, as necessárias medidas de segurança no ambiente de trabalho.

O magistrado declarou que ficou evidenciada a culpa da empresa, que não observou as determinações normativas de ordem ergonômica. “Tais fatos são suficientes para gerar o direito à indenização por danos morais, em face da existente lesão à esfera extrapatrimonial da trabalhadora, como reconhecido em primeira instância”, disse.

A empresa havia solicitado a exclusão da condenação de indenização por danos morais ou que esse fosse reduzido. Em atenção a critérios que estabelecem montante com o objetivo de reparar e compensar, de forma justa, o abalo causado à honra da vítima, o relator do processo decidiu que o valor arbitrado em primeira instância deveria ser mantido. A decisão foi acompanhada pela Segunda Turma de Julgamento do TRT. A empresa terá que pagar a funcionária R$ 2 mil reais.


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet