Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho, há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!"
(Machado de Assis)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Decisão Judicial determina realização de concurso público em Araguaína (TO) e fim de terceirização ilícita por meio de OSs

Fonte: http://www.prt10.mpt.mp.br/ (publicada em 17/03/2017)


O juízo da 1ª Vara do Trabalho de Araguaína (TO) decidiu que a Prefeitura do Município de Araguaína (TO) tem de realizar concurso público para contratação de servidores públicos na área da saúde, a fim de atender à demanda no Hospital Municipal de Araguaína, no Ambulatório Municipal de Especialidades e na Unidade de Pronto Atendimento.

A Decisão Judicial é resultado do pedido do Ministério Público do Trabalho (MPT) em Araguaína (TO), que processou a Prefeitura por terceirizar atividade finalística, a partir de a celebração de contratos com Organizações Sociais (OSs). A manutenção de trabalhadores contratados a partir dessas OSs só será viável em caráter complementar.

As vagas efetivas, como as exercidas por médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, entre outras, devem ser preenchidas por aprovados em concurso público. O secretário da pasta, em resposta à procuradora Priscila Moreto, afirmou que seriam necessários aproximadamente 700 cargos para que o Município assuma a integralidade dos serviços de saúde.

O juiz do Trabalho Almiro Aldino de Sateles Junior, responsável pelo julgamento, classificou como “fato incontroverso” que o Município tem contratado organizações sociais, sem qualquer intuito de realizar concurso público. Ele também destaca que o gerenciamento e execução dos serviços de saúde foram transferidos às terceirizadas, o que é vedado.

“A saúde é direito de todos e dever do Estado, sendo certo que o atendimento à saúde da população é competência atribuída constitucionalmente ao Município”, conclui.

O procurador Lincoln Roberto Nobrega, responsável pela Ação Civil Pública do MPT, não vê justificativas para terceirização. Além de ilícita, ele reforça que a prática produz ônus maior, pois a Prefeitura pagava mais de R$ 2,1 milhões à terceirizada. O advogado da Organização afirmou, em audiência, que o gasto com a folha de pagamento dos trabalhadores era de R$ 650 mil mensais.

Tentativa de conciliação:

Os procuradores Anderson Luiz Corrêa da Silva e Priscila Moreto de Paula se reuniram, no mês passado, com representantes da Prefeitura, para construir possível conciliação.

Eles propuseram que o Município elabore um cronograma para o concurso público, com posterior Acordo.

Em ata, ficou consignado que a Prefeitura vai apresentar a relação total dos servidores de saúde, bem como o cronograma para cumprimento da Decisão Judicial, preenchendo os cargos a partir de concurso público.

Também ficou definida a apresentação de cronograma, nos mesmos moldes, para as áreas de educação, assistência social e transporte escolar.

Processo nº 0000652-83.2015.5.10.0811


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet