Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"O segredo está em como você faz as coisas e isso depende sempre de como você as vê. Quando você está sereno, lúcido, a vida trabalha a seu favor, oferecendo-lhe momentos de prazer e bem-estar. "
(Zíbia Gasparetto)


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Herdeiros de carteiro falecido conseguem reconhecimento de que pai sofreu dispensa discriminatória por ser alcoólatra

Fonte: http://as1.trt3.jus.br/


Os herdeiros de um carteiro falecido em 2015 procuraram a Justiça do Trabalho discordando da justa causa aplicada ao pai pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Isto porque, segundo alegaram, ele sofria de alcoolismo e deveria ter sido encaminhado ao INSS para afastamento. O caso foi examinado pela juíza Paula Borlido Haddad, da 1ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte.

Após detida análise das provas e em sentença bastante fundamentada, a magistrada deu razão aos familiares e reconheceu que o trabalhador foi vítima de discriminação em razão da doença que o acometia. Na sentença, declarou nula a justa causa aplicada e condenou os Correios ao pagamento de verbas rescisórias, por ser impossível a reintegração. Também determinou o pagamento de uma indenização por dano moral no valor de R$ 30 mil.

O carteiro trabalhou de 24/10/1991 a 8/4/2014 para a ECT, quando foi dispensado por justa causa. De acordo com a empresa, após o processo administrativo, a dispensa foi recomendada pelo departamento jurídico com base no histórico do trabalhador. Os motivos apontados foram vários: mau procedimento, desídia, embriaguez, indisciplina e ofensa física, tudo conforme previsto no artigo 482 da CLT, que regula a matéria. O processo administrativo indicou que o empregado já havia sofrido advertências e suspensão. No dia 24/7/2013, apareceu no ambulatório com "forte hálito de bebida alcoólica, visivelmente alterado". Na oportunidade, além de desacatar médicos e empregados, jogou um copo de água na atendente, que atingiu também o computador e outros materiais que se encontravam na mesa de trabalho.

Para a magistrada, ficou evidente que os comportamentos equivocados apresentados pelo trabalhador estavam vinculados à condição de dependente químico. Apesar de não constar a causa da morte na certidão de óbito, ela se convenceu de que isso se deu em razão do alcoolismo. Documentos revelaram que o pai de família já tinha problemas psiquiátricos graves, como depressão, esquizofrenia, problemas intestinais, além da nefrolitíase renal. A juíza notou também que ele teve uma perda de peso considerável, o que concluiu ser decorrente do abuso do álcool. "A doença acometida e sua progressividade culminaram numa condição física e psíquica irrecuperáveis ao trabalhador", concluiu.

Ainda conforme ponderado, a empresa tinha conhecimento de que o empregado sofria de dependência química severa, tanto que o encaminhou a programa de tratamento social, com diversos licenciamentos para tratamento e tentativas de reabilitação, todas sem sucesso. Os depoimentos das testemunhas reforçaram a conclusão da juíza de que o problema de saúde do trabalhador era grave e de conhecimento notório.

"Embora a ré tenha agido bem encaminhando o reclamante a tratamentos, participando de projetos contra o alcoolismo, a empresa não esgotou os recursos disponíveis para promover e preservar a saúde do trabalhador", frisou na sentença. Diante da ausência de resultados das medidas disciplinares aplicadas, pontuou que o empregador tinha por obrigação legal encaminhar o empregado ao INSS, na forma dos artigos 59 e 60 da Lei nº 8.213/91, até que ele obtivesse a oportunidade de se reabilitar antes de retornar ao trabalho ou então fosse concedida a aposentadoria por invalidez. O termo de curatela também foi mencionado na decisão como prova do grave estado de saúde em que se encontrava o falecido empregado. Ademais, ficou demonstrado que o sindicato se negou a homologar a rescisão contratual em razão da dependência química do trabalhador.

"A embriaguez habitual no serviço, ao contrário da embriaguez eventual, trata-se de patologia, associada a distúrbios psicológicos e mentais de que sofre o trabalhador", ensinou a julgadora, explicando que, se o empregado sofre de dependência crônica de alcoolismo, deve ser licenciado, mesmo compulsoriamente, para tratamento de saúde. Se for o caso, deve ser aposentado, por invalidez. Mas a dispensa não é cogitada, segundo a julgadora, por ser o trabalhador "titular de direito subjetivo à saúde e vítima do insucesso das políticas públicas sociais do Estado".

O entendimento adotado se baseou em literatura médica, jurisprudência do TRT/MG e do TST. A juíza registrou que o procedimento da ECT já foi reiterado em outras circunstâncias, com outros funcionários que sofriam de alcoolismo. Ela chamou a atenção para a existência de outros julgados do TST, nos quais a ré tenta fazer crer ter esgotado todas as boas condutas, aplicando justa causa por mais de um motivo, sempre vinculados à condição da doença que acomete os trabalhadores.

Houve recurso, ainda não apreciado pelo TRT de Minas.

PJe: Processo nº 0010518-81.2016.5.03.0001. Sentença em: 10/12/2016


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet