Faça um cadastro gratuito e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do site:
E-mail  
Senha
Homepage

Cadastro

O Professor

Cursos e Agenda

Palestras

Notícias

Comentários do Professor

Material do Professor

Artigos

Vídeos

OAB

Concursos Públicos

Bibliografia Indicada

Legislação

Motivação

DJ Leone Pereira

Galeria de Fotos

Sites Indicados

"O pensamento positivo pode vir naturalmente para alguns, mas também pode ser aprendido e cultivado, mude seus pensamentos e você mudará seu mundo."
Norman Vicent Peale


Siga o Professor
Leone Pereira

Notícias

Liminar impede Casa Maria de realizar revista íntima em empregados

Fonte: http://www.prt4.mpt.mp.br/ (publicada em 16/02/2017)


Prática viola Constituição Federal, artigo 373-A, inciso VI, da CLT e jurisprudência sobre assunto

O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) obteve liminar contra a Casa Maria (Comercial São João de Utilidades Domésticas Ltda.), rede de varejo com 18 lojas no Estado. A medida decorre de ação civil pública (ACP) ajuizada por conta de revista em bolsas de trabalhadores ao fim do expediente. A prática, explica o procurador do Trabalho Philippe Gomes Jardim, responsável pelo caso, constitui abuso do poder diretivo que ofende a honra e a intimidade dos empregados e causa humilhação e constrangimento.

A liminar impede a Casa Maria de realizar, autorizar, admitir ou tolerar, diretamente ou por terceiros, a prática de revistas íntimas em seus empregados ou nos demais trabalhadores que lhe prestem serviços, independente do gênero, incluindo-se todo e qualquer procedimento que importe em contato físico e/ou exposição visual de partes do corpo e/ou objetos pessoais, sob pena de multa de R$ 5 mil, por empregado.

A investigação partiu da verificação da prática em reclamatória trabalhista individual na qual o MPT atuou como órgão interveniente. A revista era feita mesmo com a guarda dos pertences dos empregados em armários e com o uso de sistema de segurança por câmeras de monitoramento, suficientes, de acordo com o procurador, à proteção patrimonial da empresa. Os gerentes e clientes não eram sujeitos à vistoria. A empresa não manifestou interesse em firmar termo de ajuste de conduta (TAC), proposto pelo MPT.

Em definitivo, além da confirmação dos efeitos da liminar, o MPT requer a condenação da Casa Maria ao pagamento de indenização de R$ 500 mil por danos morais coletivos. A indenização e as multas aplicadas pelo desrespeito à liminar são reversíveis ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A sentença foi proferida pela juíza do Trabalho Simone Maria Nunes Kunrath, da 2ª Vara do Trabalho de Cachoeirinha.

ACP nº 0020090-23.2017.5.04.0252


  Imprimir esta notícia

[ retornar ]

® 2017 Professor Leone Pereira - Todos os direitos reservados Desenvolvido por InWeb Internet