Trabalhadores do Ouro Verde devem votar proposta de acordo em assembleia

Fonte: http://www.prt15.mpt.mp.br/


Campinas - O Ministério Público do Trabalho realizou na tarde dessa terça-feira (15) mais uma audiência de mediação com o objetivo de garantir o pagamento de verbas rescisórias dos trabalhadores do Complexo Hospitalar Prefeito Edivaldo Orsi, o Ouro Verde, em decorrência da quebra de contrato entre o Município de Campinas e a Organização Social Vitale.

Além de representantes da Secretaria de Saúde e da Secretaria de Assuntos Jurídicos da prefeitura, compareceram na audiência o Sindicato dos Profissionais de Saúde de Campinas e Região (Sinsaúde), o Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo e o Sindicato dos Médicos do Estado de São Paulo.

Na audiência, o MPT apresentou às partes um relatório feito pela perícia contábil do órgão, contendo possíveis cenários de pagamento. Tanto a prefeitura quanto os representantes dos trabalhadores, exceto os representantes dos médicos, concordaram em adotar o seguinte critério de destinação das verbas: o Município destinará um total de R$ 1,5 milhão todos os meses para o pagamento das verbas rescisórias (até a quitação total do passivo, avaliado em R$ 36 milhões), que será dividido igualmente (25%) entre quatro diferentes faixas remuneratórias (trabalhadores com valores rescisórios até R$ 6 mil; trabalhadores com valores rescisórios de R$ 6001 a R$ 12 mil; trabalhadores com valores rescisórios de R$ 12.001 até R$ 24 mil; e trabalhadores com valores rescisórios acima de R$ 24.001).

Os pagamentos ocorrerão na ordem crescente da faixa remuneratória, independente da categoria profissional a que estejam vinculados. Uma vez quitadas as verbas rescisórias da faixa remuneratória inferior, os recursos serão destinados para a faixa remuneratória imediatamente superior (por exemplo: quando quitadas as verbas destinadas à faixa remuneratória de valores até R$ 6 mil, os valores que seriam destinados a esta passam a ser pagos àqueles da faixa remuneratória de valores a partir de R$ 6.001).

Os sindicatos levarão a proposta para votação em assembleia e devem protocolar nos autos o posicionamento de cada um até o dia 22 de maio. Tendo a concordância dos trabalhadores, as partes assinarão um termo de transação referendado pelo Ministério Público do Trabalho em audiência que será designada ainda no mês de maio.



Notícia impressa do site Professor Leone Pereira
Acesse: www.professorleonepereira.com.br