Cerest aponta problemas de Ergonomia do Hospital Santa Cruz (Santa Cruz do Sul)

Fonte: http://www.prt4.mpt.mp.br/


Documento, elaborado a partir de inspeção realizada em outubro, sugere maior atenção na organização do trabalho


Foi entregue ao Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) análise da situação ergonômica da Associação Pró-Ensino de Santa Cruz do Sul (Hospital Santa Cruz), elaborado a partir de inspeção da força-tarefa dos hospitais gaúchos. A operação ocorreu de 2 a 6/10. O relatório também foi enviado à administração do Hospital Santa Cruz.

Segundo o relatório, a capacitação de Ergonomia teve conteúdo teórico e demonstração prática, porém, realizado de forma rápida pois as profissionais de enfermagem não poderiam abandonar o setor por muito tempo.

O documento detalha as irregularidades dos postos de trabalho da empresa, setor a setor, sugerindo adaptação de equipamentos, pausas no trabalho, entre outras. O relatório aponta para melhora na organização do trabalho e na gestão adequada das suas condições ergonômicas de trabalho que inclui comunicação interna eficiente, transversalidade das decisões e pessoal técnico habilitado para participar da realização de análise ergonômica do trabalho. O relatório foi assinado pelas fisioterapeutas do Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador (Cerest), Ida Marisa Straus Dri, Rosemari Santi (Caxias do Sul), Juliane Martins Teixeira (Palmeira das Missões), Luciane Sarturi Antes (Ijuí) e pela fisioterapeuta da 7º Coordenadoria Regional da Saúde de Bagé, Marisa Flores de Quadros.

Histórico

Em 22 de julho de 2016, o MPT havia entregue notificação recomendatória ao Hospital Mãe de Deus (HMD), em Porto Alegre, destacando 43 aspectos urgentes de insegurança no trabalho que precisavam de correção. O documento, elaborado ao longo de operação de três dias, realizada de 19 a 21 de julho, foi resultado da primeira operação da força-tarefa. Em 19 de agosto, a Unimed Nordeste RS Sociedade Cooperativa de Serviços Médicos Ltda, proprietária do Hospital Unimed Caxias do Sul, foi a segunda investigada, na operação realizada de 16 a 18/8. Também recebeu notificação recomendatória para que adotasse providências, visando adequar 64 situações ao disposto na legislação trabalhista.

Muitos trabalhadores do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) S. A., em Porto Alegre, "pediram socorro" aos integrantes da força-tarefa na terceira operação realizada, de 19 a 21 de outubro. Encontrou-se muito mais problemas do que nas ações anteriores. O MPT notificou o HNSC para que, sem prejuízo de outras medidas que venham a ser necessárias em razão das constatações a serem demonstradas oportunamente nos relatórios técnicos e suas recomendações, adotasse 38 providências, visando adequar situações ao disposto na legislação trabalhista. Também foi recomendado pelo MPT que o GHC observasse todas as determinações nas demais unidades: Hospital Cristo Redentor, Hospital Fêmina, Hospital da Criança, Postos de Saúde, Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e Centro de Atenção Psicossocial. naquilo que for aplicável, obedecendo aos mesmos prazos.

Na quarta e última operação de 2016, o MPT expediu recomendação, em 9 de dezembro, à Associação Dr. Bartholomeu Tacchini (Hospital Tacchini), de Bento Gonçalves, para que adote 33 providências, visando adequar situações ao disposto na legislação trabalhista. Recomendou, ainda, paralisação da atividade ou máquina que apresentar risco grave e iminente de acidente de trabalho ou adoecimento, se necessário para viabilizar a correção.

Na primeira operação de 2017, o MPT expediu recomendação, em 10 de março, à Sociedade Educação e Caridade Hospital Dom João Becker (HDJB), de Gravataí, para que adotasse 68 providências. Na segunda operação 2017, o MPT expediu recomendação, em 7 de abril, à Associação Hospitalar Beneficente Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), em Passo Fundo, sobre 190 irregularidades encontradas em 17 conjuntos de setores e atividades. Na terceira operação 2017, o MPT notificou, em 25 de agosto, a Associação Cultural e Científica Virvi Ramos (ACCVR), mantenedora do Hospital Virvi Ramos, em Caxias do Sul, sobre 36 irregularidades encontradas em conjuntos de setores e atividades. E na quarta operação 2017, o MPT notificou, em 6 de outubro, a Associação Pró-Ensino de Santa Cruz do Sul, mantenedora do Hospital Santa Cruz (HSC), sobre 52 irregularidades.

Nos oito casos, as empresas tiveram prazos de até 120 dias para realizar as adequações. O MPT recomendou, ainda, a paralisação da atividade ou máquina que apresentasse risco grave e iminente de acidente de trabalho ou adoecimento, se necessário, para viabilizar a correção, sob pena de responsabilização civil e criminal em caso de negligência no cumprimento do dever. Os hospitais devem comprovar o cumprimento dos itens entregando relatórios mensais.



Notícia impressa do site Professor Leone Pereira
Acesse: www.professorleonepereira.com.br